Lentes de contato da Google carregadas com energia solar

20151021174411_660_420

“O Google registou uma nova patente que pode significar que no futuro as lentes de contacto terão mais funções para além de corrigir a visão. As lentes de contacto inteligentes da empresa serão carregadas com energia solar e vão transmitir informações biológicas do utilizador.

De acordo com a nova patente, a lente terá sensores que captam também outras informações biológicas, como a temperatura corporal e o nível de álcool no sangue, além de captar dados sobre o ambiente  em que a pessoa se encontra e a presença de substâncias que podem dar alergia como  pólen ou pelos de animais.

As lentes de contacto serão capazes de serem carregadas com luzes fortes graças a sensores fotodetetores e células solares presentes nelas. Além disso, elas terão a habilidade de se comunicar com smartphones e computadores.

O Google ainda sugere na patente que essas lentes podem ser capazes de ler informações em códigos de barras e ser usadas para verificar a identidade da pessoa, por meio de uma análise de retina.”

Fonte: Olhar Digital

Imagem1

Anúncios

A EDUCAÇÃO TEM MENTALIDADE CONSERVADORA

Artigo de opinião bem interessante de Nelson S Lima

Imagem1

O que torna o setor tão lento em inovar?

Existem milhões de professores em todo o mundo, pedagogos, investigadores, pensadores e outros especialistas que refletem até à exaustão e apresentam ideias sobre a inovação em educação (a que existe e a que precisa de existir na prática). Não faltam escritos (artigos e livros) e congressos em todo o mundo sobre tema.

Todos, em geral, questionam o mal-estar do setor pois há muitos problemas que se mantêm quase inalteráveis desde há décadas. E, repito, são mesmo muitos. De tal forma que eles envolvem desde políticas de educação a métodos de ensino passando pelos conteúdos, a arquitetura das escolas e das salas de aulas, as ferramentas de aprendizagem, etc.

Entretanto, o tempo passa, a sociedade muda e a história avança. E, assim sendo, parece que a educação estará sempre um passo (ou mais) atrás da evolução da sociedade. Aparentemente, com raras exceções, a educação está à espera de soluções, as mais variadas.

UM ENSINO CONSERVADOR

O problema da educação deve-se também ao facto de o pensamento dominante ser conservador mesmo quando nos apresentam exemplos de experiências bem sucedidas aqui e ali. Não obstante, é muito pouco. Se tal lentidão também se passasse na saúde estaríamos ainda com uma esperança de vida idêntica há de 100 anos atrás.

Reconheço que a educação é um setor muito complexo e talvez por isso os seus agentes preferem manter uma atitude conservadora já que têm medo da inovação. Na verdade, a educação é o setor mais conservador e, por conseguinte, menos aberto a inovações do que quaisquer outros. E, todavia, é um dos mais prioritários.

Vamos esperar pelo que se vai ouvir no 1º Congresso Mundial sobre Educação Global, Inteligências Humanas e Construção da Cidadania que se vai realizar no Brasil, em Outubro (ver:http://www.intereducation.international/).

Espero que não seja mais do mesmo e no fim fiquemos a saber aquilo que já sabíamos antes. Quero acreditar que haverá agitação mental e o congresso mereça ficar na história da educação. Por mim, como orador, contem com a minha independência intelectual para dizer o que penso disto tudo.

Aguardemos com serenidade.”

Fonte: https://www.facebook.com/nelson.s.lima

 

CTT vão financiar projetos ambientais

Capturgggar

Os CTT vão financiar dois projetos ambientais que vão ser escolhidos pelos portugueses. São quatro os projetos que vão estar em votação, e que este ano conta com um montante superior a 12 mil euros.

O primeiro dos projetos propostos denomina-se “Conservação de Organismos Fluviais” e pretende apoiar espécies que estão em estado de pressão ambiental devido a atividades humanas e por fenómenos extremos, que levam organismos os fluviais a uma situação de quase pré-extinção.

O segundo dos projectos, “Conservação de Turfeiras”, também nacional, apoia a recuperação das turfeiras da Serra da Freita, em Vale de Cambra, habitats dominados por musgos e plantas vasculares, em solos que têm sido especialmente afetados pelas alterações climáticas.

Colabore, o voto pode ser feito online até ao dia 5 de junho.

Continuar a ler

Formação – Os 7 destinos do sucesso

Já tem destino para as suas férias?

Dado que, todos os empreendedores nunca param, a Associação Acredita Portugal apresenta os 7 destinos para levar as suas ideias ao sucesso.

Defina o percurso que melhor se aplica às suas necessidades e embarque rumo ao sucesso!

Conheça os destinos clicando na imagem:

fff

Fonte: Associação   Acredita Portugal

Programa de Estágios de Jovens Estudantes do Ensino Superior nas Empresas

imgLoader

“Está lançada a 22ª edição do PEJENE – Programa de Estágios de Jovens Estudantes do Ensino Superior nas Empresas, promovido pela Fundação da Juventude.

O PEJENE enquadra-se num dos vetores estratégicos de atuação da Fundação da Juventude – Emprego e Empreendedorismo – sendo um forte contributo para ultrapassar o obstáculo da falta de experiência e de Curricula dos jovens alunos e da pouca preparação para o mundo do trabalho.

Os estágios destinam-se a todos os jovens que frequentem o penúltimo e o último ano de qualquer curso do ensino superior (Licenciatura, Mestrado ou Mestrado Integrado, Pós-Graduação), em estabelecimentos de ensino público, privado e/ou cooperativo, abrangendo todas as áreas de estudo. Destina-se também a todas as empresas/entidades interessadas em acolher estagiários.

Os estágios da 22ª edição realizam-se entre julho e setembro. Para além da experiência proporcionada, os estagiários podem ainda contar com os subsídios de alimentação e de transporte, assim como um Seguro de Acidentes Pessoais.”

Para mais informações aceda ao site: www.fjuventude.pt/pejene2014

Fonte: Fundação da Juventude

Cooperação e Desenvolvimento – “Oikos Desafio 100”

“Oikos Desafio 100”

É o nome da iniciativa da Oikos – Cooperação e Desenvolvimento

que convida os portugueses a serem saudáveis e solidários.

OIKOS1

 “Oikos Desafio 100”  tem como objetivo  angariar fundos para a construção duma plataforma digital que permita, em Portugal, a ligação entre os pequenos produtores agrícolas, os pequenos comerciantes e o consumidor final desses produtos (incluindo as Instituições de Solidariedade) para reequilibrar a respectiva cadeia de valor, ampliar a escala da agricultura familiar local (neste ano de 2014 que é o Ano Internacional da Agricultura Familiar) e assegurar a soberania e segurança alimentar e nutricional, em causa no Portugal de hoje.”

“Nos dias 5 (Dia Internacional da Actividade Física) e 6 de Abril vai realizar-se o “Oikos Desafio 100”, uma prova física de 100 km com partida marcada na Lourinhã e chegada prevista ao Jamor (Oeiras), no dia seguinte à partida. O percurso será dividido entre os dois dias, com os participantes a percorrem 50 km em cada dia, sendo a prova interrompida durante a noite. As equipas de 5 ou de 9 elementos podem fazer a prova em modalidade de estafeta. Para as equipas participarem deste desafio físico, terão que superar o primeiro desafio: a angariação de fundos em equipa: Os participantes são desafiados a angariar 1000€, em equipa, até à data em que a prova se irá realizar através de uma plataforma de crowdfunding fornecida pela organização.”

“O “Oikos Desafio 100″ conta já com alguns padrinhos da iniciativa, como a jornalista Andreia Vale, a atleta para-olímpica Simone Fragoso e o músico Tiago Bettencourt, e tem como parceiros as Câmaras Municipais de Lourinhã, Torres Vedras, Mafra, Sintra, Cascais e Oeiras, entre outros.”

Os interessados podem encontrar toda a informação, materiais de apoio e incentivo à superação de ambos os desafios em www.oikosdesafio100.pt

CADA KM É UM PASSO CONTRA A FOME!

 

Poupar está na ordem do dia

A poupança e a necessidade de aumentar esta rubrica, que a crise veio impôr, foi o tema em debate na Comissão Executiva. Este interessante debate   foi conduzido pela jornalista Alda Martins e contou com a presença dos seguintes convidados: Francisco Banha, Empresário e Gestor de Empresas,  João Tomé Calado, professor do ISEG, Raul Marques, presidente da APAF, e Rui Leão Martinho, bastonário da Ordem dos Economistas.