SEMANA ECO – Escola Secundária de Estarreja

Caprrrrturar

O auditório da Escola Secundária de Estarreja encheu esta quinta-feira para receber o colóquio “2015 Ano Europeu do Desenvolvimento – Pequenos passos grandes ideias”, evento organizado pelos alunos da turma do 11.º H (C. Profissional de Gestão), no âmbito da disciplina, Área de Integração.

A iniciativa visou uma reflexão sobre os desafios para mudar as formas de pensar e agir em torno da questão ambiental.

Contou com a intervenção do Eng.ro Pedro Gonçalves da DOW Portugal e as apresentações de dois projetos de cariz inovador desenvolvidos por alunos que participaram no 1.º Bootcamp de Estarreja.
– “Produção de biocombustível (bioetanol) a partir da destilação de milho em grão” – Inês Marques Brandão (12.º A) e Gilberto Miguel da Silva Pereira Valente (12.º C).
– “Isqueiro termoelétrico acionado por sistema inovador amigo do ambiente” – Mónica Rodrigues (11.º H) e Juliana Silva (11.º H).

11038875_1419999828320411_5233394571920008294_n

11222419_1419999918320402_488443856084110362_n

11231147_1420000071653720_439272927678487160_n

“Amentira em que vivemos” – Documentário inquietante

Este é um documentário, inquietante, que devemos assistir, uma visão do mundo global intitulado “A mentira que vivemos”. O autor, Spencer Cathcart, leva-nos a refletir de forma a perceber a forma como é questionada a nossa liberdade, os  lobbys, o poder do dinheiro,  os governos, o colapso mundial , o ambiente, as alterações climáticas, os alimentos geneticamente modificados, a forma como tratamos os animais, entre muitos outros assuntos.

Será que podemos mudar o mundo?

Talvez! Uma educação de qualidade deve ser tida como instrumento para um bem maior, no qual uma sociedade inteira tenha plena consciência dos seus atos e também dos impactos que as suas decisões possam representar numa comunidade, num país e, por que não no mundo!

Ranking das empresas mais éticas do mundo

Desta extensa lista constam três empresas portuguesas: EDP, SONAE e PORTUGAL TELECOM.

 

Saiba mais clicando na imagem

Ranking da empresas éticas mundo_2012

Pensamento do dia – Diz-me porquê?

O ano está a acabar… é tempo para reflexões!!!

Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, digam-me porquê?

  • Uma em cada 12 crianças do planeta enfrenta as piores formas de exploração no trabalho.

  •  97% das crianças exploradas  encontram-se nos países pobres ou em desenvolvimento. Só na África, onde a situação é mais grave, metade dos que têm entre cinco e 14 anos trabalha.

  •  A cada sete segundos, morre uma criança de fome.

 

Portal de responsabilidade social

Este portal é  um serviço “pro bono” da empresa LPM – Comunicação, com o patrocínio do  Banco Espírito Santo, que renovou a sua imagem, muito recentemente.

Causas.net

O objectivo desta renovação é tornar mais fácil a navegação por este site que agrega quase duas dezenas das mais importantes Organizações Não Governamentais (ONG) portuguesas.

O “Causas”, já conta com cerca de dois anos e meio de existência, sendo actualmente, um dos maiores, mais representativos e mais importantes portais na área da responsabilidade social em Portugal, facultando um serviço profissional de assessoria mediática a um painel de instituições de solidariedade de referência.

O novo portal, tem novas funcionalidades com ligação às redes sociais, vídeos, agenda e um agregador de blogues na área do terceiro sector, vai permitir uma navegação mais fácil a todos os utilizadores, reforçando o seu posicionamento enquanto plataforma de mobilização da atenção dos media e da opinião pública para estas temáticas e para as iniciativas promovidas pelas ONG.

O “Causas” integra a as seguintes Associações e/ou Organizações:

  • Acreditar;
  • AMI – Assistência Médica Internacional;
  • ANIMAR;
  • APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima
  • APCL -Associação Portuguesa Contra a Leucemia
  • APF – Associação para o Planeamento da Família,
  • CAIS;
  • CEAI – Centro de Estudos da Avifauna Ibérica;
  • Conselho Português para os Refugiados;
  • FENACERCI, Fundação Infantil Ronald McDonald,;
  • GRACE – Grupo de Reflexão e Apoio á Cidadania Empresarial
  • INDE – Intercooperação e Desenvolvimento,;
  • Médicos do Mundo;
  • Rede Europeia Anti-Pobreza;
  • SOS Racismo;
  • UMAR – União Mulheres Alternativa e Resposta.

 

Bolsa de Valores Sociais e a Responsabilidade Social

Bolsa de Valores SociaisHoje, segunda-feira, nasceu em Lisboa a primeira Bolsa de Valores Sociais da Europa e segunda no mundo. O objectivo não é o lucro, mas sim ajudar as organizações de cariz sócio-ambiental a conseguirem angariar mais fundos.

As instituições de acção social vão dispor, então,  a partir de 2 de Novembro, de um novo mecanismo de angariação de fundos, com investidores a poderem usufruir de uma forma inovadora de aplicar o seu dinheiro, num mercado bolsista, sem especulação.

Para o arranque, esta Bolsa de Valores Sociais contou com o apoio da Fundação EDP, Calouste Gulbenkian e Euronext Lisbon, que irão colaborar nas áreas de apoio a toxicodependentes, crianças portadoras de problemas de saúde, biodiversidade e avaliação do impacto social.

Nesta primeira fase, estão «cotadas» quatro organizações: Associação Portuguesa de Portadores de Trissomia 21, Cooperativa Terra Chã, Dianova e Associação de Apoio à Criança Hospitalizada.

Convém salientar,  que quando um projecto  obtiver a verba necessária para o seu financiamento,  sai e dá lugar a outro projecto que estará numa lista de espera, defendendo-se assim a possibilidade de serem apoiados mais e mais projectos.

Como proceder?

Os projectos aprovados, vão estar em “exposição” no “site” da Bolsa e, a partir daí, os investidores sociais, Empresas ou cidadãos a título particular,  realmente interessados, vão poder dar as “ordens de compra” acedendo ao site http://www.bvs.org.pt e escolher o projecto que pretendem. O mínimo que podem investir são 10 euros (dez acções, a um euro cada ).

Nesta conformidade,  cada investidor pode acompanhar na bolsa a forma como o dinheiro é aplicado e o impacto social atingido na organização em que escolheu investir.

Convém realçar, que os investidores sociais não têm retorno financeiro, mas podem abater o valor investido no IRS.

É de esperar projectos elaborados de forma a poderem avançar por etapas, em função do investimento que forem alcançando, e equipas técnicas de acompanhamento zelarão para que o dinheiro doado seja efectivamente aplicado no projecto pretendido.

A Bolsa de Lisboa, pioneira na Europa torna-se numa plataforma comum de responsabilidade social que visa uma sociedade mais justa e solidária e com uma maior responsabilidade ambiental.

Jogue na Bolsa e ajude quem precisar.

 

Empreendedorismo Social – Bolsa Valores Sociais de Lisboa

 A Responsabilidade Social como Estratégia Empreendedora.

 Bolsa de Valores Sociais – 2009, Um projecto de Responsabilidade Social, aplicado ao sector financeiro.

empreendedor-social-de-futuro

 O Programa Gulbenkian de Desenvolvimento Humano, i apresentar durante o  mês de Outubro um novo projecto na área da inovação social: uma Bolsa de Valores Sociais de Lisboa.
Esta ideia teve origem na Bolsa de Valores de São Paulo, em 2003, o maior pólo de Mercado de Acções a operar na América Latina, onde foi criada a  primeira Bolsa de Valores Sociais do mundo. Através da reprodução do ambiente de uma Bolsa de Valores, esta iniciativa tem mobilizado recursos para impulsionar projectos realizados por ONG’s brasileiras, uma vez que estabelece uma ponte entre as Organizações que necessitam de Fundos e os investidores e empresas que estão dispostos um doá-los.
A partir do final do mês de Outubro, o modelo existente em São Paulo, será replicado em Portugal com o apoio das Fundações Calouste Gulbenkian e da EDP e da Euronext Lisboa. Seguindo a mesma lógica do Mercado de Acções, no qual as empresas fortalecem os seus negócios através da Bolsa de Valores, devolvendo o capital do ivestidor em lucros e dividendos, tornam as ONG’s-se mais fortes e devolvem esse investimento na forma de uma sociedade mais justa, solidária e ambientalmente mais responsável.
Esta iniciativa nasce dentro da Rede Euronext, funcionando ainda como modelo para as demais Bolsas de Valores europeias membros da Rede Euronext, que poderão adoptar o modelo como plataforma comum de Responsabilidade Social, num momento em que tem se discutido e tentado fomentar o apoio da Sociedade em geral às Organizações Sociais do Terceiro Sector.

 Valorizemos o Empreendedorismo Social.

Tome hoje uma Iniciativa, FAZ BEM!