ECONOMIA CIRCULAR – Sessão Informativa | SEMA

Imagem1

No dia 28 de novembro, no Centro de Negócios do Eco Parque Empresarial de Estarreja, duas turmas do 12.º Ano da Escola Secundária de Estarreja, Técnico de Gestão e Técnico de Produção em Metalomecânica, participaram numa Sessão Informativa sobre uma nova forma de se pensar a utilização dos recursos naturais, “Economia Circular”, nas áreas da Química e da Metalomecânica, cujo evento foi uma iniciativa da SEMA, Associação Empresarial Sever do Vouga, Estarreja, Murtosa e Albergaria-a-Velha.

Com base numa profunda experiência profissional, alicerçada por formação académica em diversas áreas do Ambiente e Recursos Naturais, o Prof. Dr. Carlos Borrego, primeiro orador e numa abordagem cativante, reforça a importância da transição de uma economia linear para uma economia circular, ao ser prossecutor de abordagens inovadoras, que se traduzem na necessidade de serem desenvolvidas novas eficiências e reciclabilidade dos resíduos. A economia mundial tem sido construída, desde os primórdios da industrialização, com base num modelo linear de consumo de recursos que segue um padrão “extrair-produzir- consumir- deitar fora”, que se encontra nos dias de hoje sob ameaça devido à forma e velocidade insustentável como são usados os recursos naturais, cada vez mais escassos.

Senão, vejamos os dados divulgados:                                  

– “Na UE, cada pessoa consome atualmente 16 toneladas de materiais por ano, das quais 6 toneladas são desperdiçadas, acabando metade nos aterros. – Em 2014, só em Portugal cada habitante produziu 425 kg de lixo (mais 2,5% do que em 2013). – Na Europa, 31% dos alimentos são desperdiçados ao longo da cadeia de valor. – Um carro europeu está estacionado em média 92%.  – Um escritório é usado apenas 35% a 50% do tempo, mesmo durante o horário de trabalho. – Nas indústrias do aço, plástico e papel perdem-se entre 30 a 75% do valor dos materiais no 1.º ciclo produtivo. – A União Europeia importa 6 vezes mais materiais e recursos naturais do que exporta. Em média, a Europa usa os materiais apenas uma vez.  Se continuarmos a utilizar os recursos ao ritmo atual, em 2050 teremos necessidade, em termos agregados, do equivalente a mais de dois planetas para nos mantermos.”

Uma realidade preocupante que não deixou ninguém indiferente!

Segundo o mesmo orador, não basta reciclar! A economia circular vai muito além da reciclagem, algo muito mais ambicioso como PREVENIR, REUTILIZAR, RESTAURAR, REGENERAR, promovendo a mobilização geral rumo a um novo estilo de vida, que respeite os limites impostos pelo planeta Terra.  Os resíduos deixam de ser um fim em si mesmos e tornam-se reutilizáveis. Em 2020 os resíduos terão que ser geridos como um recurso. O final de vida de um produto poderá ditar o início de outro. São estes os princípios que norteiam a economia circular.

Como avaliação da atividade, destaca-se o facto de ter sido do agrado de todos os alunos e professores participantes, pela atualidade e importância da informação/formação de uma consciência esclarecida, atenta e orientada para a prossecução dos objetivos do desenvolvimento sustentável e da ECONOMIA CIRCULAR.

FOTO 1

 

Continuar a ler

Anúncios

VISITA DE ESTUDO: RTP – Museu do Dinheiro (2.ª parte)

dscn3834

Visita de Estudo – Parte II (9/02/2017)

Ao início da tarde rumámos ao MUSEU DO DINHEIRO. Entrados no hall da antiga Igreja de São Julião (verdadeiramente imponente ) e revistados eletronicamente, iniciámos uma viagem pela máquina do tempo… Na cripta da antiga igreja foi-nos dado a conhecer um troço da Muralha de D. Dinis, classificada como Monumento Nacional (descoberta nas escavações arqueológicas realizadas em 2010), uma construção medieval que nos levou numa viagem, percorrendo mais de 1000 anos da história de Lisboa. Transportada que foi a porta da casa-forte, nove salas temáticas do Museu deram-nos a conhecer a origem do dinheiro, e a relação que se foi estabelecendo ao longo dos tempos com o HOMEM. Fomos convidados a tocar numa barra de ouro de mais de doze quilos e meio, que valerá, dependendo da cotação, meio milhão de euros, a manusear uma moeda virtual, a viajar num mapa, a trocar bens por dinheiro com um computador que simboliza um deus grego, a utilizar o simulador de um poço de desejos e a deixar um depoimento sobre a relação que temos com o dinheiro. Importante, foi também conhecer alguns dos objetos que eram usados, antigamente nos bancos assim como máquinas, chapas de impressão, esboços e desenhos que estão na origem das moedas e notas. Uma excelente viagem pela nossa história. Esta memorável visita teve ainda uma paragem no Forum de Coimbra para um breve jantar.

Continuar a ler

VISITA DE ESTUDO: RTP – Museu do Dinheiro

dscn3671

Visita de Estudo – Parte 1 (manhã – 9/02/2017)

A RTP – Lisboa proporcionou a duas turmas do 12.º Ano do Agrupamento de Escolas de Estarreja, Prof. Técnico de Gestão e Prof. Técnico de Marketing uma visita guiada às suas instalações, com a finalidade de observar o backstage de alguns programas, régies e respetivos processos técnicos e artísticos disponíveis, com os alunos a interagir com diferentes tipos de linguagem mediática. Ainda antes de seguirmos para o Museu da RTP, houve tempo para visitar os estúdios da Rádio, a saber: Antena 1, Antena 2, Antena 3 e RDP Internacional. O almoço, por sinal muito bom, realizou-se na cantina do canal de serviço público.

Continuar a ler

Visita de Estudo – RTP e MUSEU DAS COMUNICAÇÕES

VE

No dia 22 de fevereiro, as turmas do 12.º H (Técnico de Gestão) e 12.º J (Técnico de Marketing), do Agrupamento de Escolas de Estarreja, deslocaram-se a Lisboa para uma visita aos estúdios da RTP e respetivo Museu, acompanhadas de quatro professoras, Adélia Felgueiras, Fernanda Matos, Lúcia Branco e Rosário Santos. Tiveram oportunidade de ouvir as interessantes histórias que cada objeto conta sobre a vida de mais de meio século da nossa televisão pública, pela voz da guia do museu e ainda gravar um pequeno programa, no estúdio existente para o efeito. Uma experiência interessante e inesquecível para os alunos que participaram.

Após o almoço e um breve descanso, rumámos até ao Museu das Comunicações. Aqui, foi-nos dado a conhecer o património histórico, científico e tecnológico das Comunicações. Por fim uma interessante visita à “Casa do Futuro”.O reforço de um conhecimento multidisciplinar e visão sistémica em áreas tão específicas, captou o interesse de todos os alunos. Estes jovens revelaram interesse e atitude responsável, valorizando a diversidades dos conhecimentos adquiridos.

Visita de estudo – CEF Comércio 9º H

VE

Na área do Comércio os desafios são múltiplos, mas estimulantes  e mais estimulantes desde que  os jovens alunos  mantenham presente a convicção profunda de que o futuro é de quem sabe aliar o conhecimento técnico com a determinação de saber agir  com princípios éticos, e de quem, também, sabe reconhecer a importância de investir em si e na sua formação ao longo da vida.

Com este propósito em mente, no dia  26 de janeiro os alunos da  turma do 9ºH –  CEF de Comércio, da ESE, munidos de blocos de notas, rumaram à cidade do Porto, confiantes que iriam alargar horizontes, conhecer  novos processos de trabalho  e exigências respeitantes ao novo mundo do trabalho.

A partida da Escola Secundária de Estarreja deu-se às 9h15 em direção ao hipermercado Continente do Gaia Shopping, onde a turma participou num “workshop” sobre técnicas de atendimento realizado pela chefe de equipa do “Continente”, Lurdes Mendes. Muitos apontamentos tirados e perguntas formuladas, permitiram interiorizar as atitudes adequadas na comunicação a estabelecer com o público e conhecer a identidade e filosofia de trabalho do Grupo Sonae.

Após o almoço e antes da partida para a visita da tarde, os alunos observaram formas de atendimento em diferentes espaços do centro comercial. Por volta das 15h deu-se início à visita ao Museu dos Transportes e Comunicações com a participação dos alunos em duas oficinas práticas, Televisão e Cinco Sentidos, onde comunicar foi a palavra de ordem. Um programa pensado pela turma, intitulado de “ Um por todos e todos por um”  versando o tema,  “Bowling em ambiente escolar”, foi gravado. Experiência que permitiu a apropriação de novos  conhecimentos técnicos  ao nível do perfeito domínio da linguagem oral e escrita.

Nesta VE foi possível vivenciar um ótimo espírito de alegria e de sã convivência entre todos os participantes, registando-se  um bom  nível de responsabilização e comprometimento cívico dos alunos durante toda a visita.

Organização: Prof. ras Lucinda LeaL e Rosário Santos
Disciplina: Técnicas de Atendimento ( Inglês e Português)

Visita de Estudo: Palácio Ducal de Vila Viçosa – Univ. Évora – Central Hidroelétrica do Alqueva – Herdade do Esporão

Veiculando a dinâmica de que a formação de jovens não se realiza apenas de conteúdos programáticos ministrados em contexto de sala de aula, mas também da partilha e valorização de experiências marcantes e enriquecedoras, aconteceu esta visita de estudo de dois dias ( 8 e 9 de março), projeto marcado pela interdisciplinaridade congregando professores e alunos de duas áreas técnicas distintas: Profissional de Eletrotecnia ( 11ºM e 12º M) e Profissional Técnico de Gestão ( 12º I ).

Com um programa vasto, partiu-se da Escola Secundária de Estarreja bem cedo, 6h30m, rumo ao Alentejo num trajeto marcado pela paisagem infinita que os nossos olhos queriam reter para sempre, vastidões de vinhedos, olivais e montados, aqui e ali intercalados com manadas e rebanhos. Após almoço na Escola Secundária de Vila Viçosa, Hortênsia de Castro, marcámos presença no belíssimo Palácio Ducal e Museu dos Coches. No interior das suas trinte e cinco salas visitáveis guardam-se peças preciosas, em móveis, tapeçarias, porcelanas, frescos e muitas pinturas da autoria do Rei D. Carlos. Interessante foi também a passagem pela vasta coleção de coches, instalada nas antigas cavalariças do palácio. O Paço Ducal de Vila Viçosa foi durante anos considerada a residência onde as famílias reais procuravam descanso do bulício de Lisboa. Era comum retirarem-se para Vila Viçosa durante vários períodos, em particular durante o verão. O rei D. Carlos tinha partido precisamente deste paço ducal quando, a chegada a Lisboa, foi assassinado juntamente com o herdeiro da coroa, o príncipe Luís Filipe.

Depois, Évora como destino para o merecido repouso no Seminário Maior. No entanto, ainda houve espaço e tempo para uma pequena visita à Universidade de Évora, departamento de Economia e Gestão, tomando realce a biblioteca denominada de “Belas Artes”. Na cantina da universidade, Luís Verney, um jantar inesquecível! Uma simpática tuna de estudantes brindou-nos com a peculiar sonoridade de alguns temas musicais.

Évora à noite surpreendeu-nos pela beleza do seu centro histórico (faz parte da lista da UNESCO das cidades património mundial) e pela enorme quantidade de monumentos, de várias épocas. Olhar o «luar» por entre as colunas do Templo de Diana próximo das 22h30m, foi o toque mágico antes do recolher. A noite foi passada então, no Seminário Maior, lugar de memória do nosso passado cultural e religioso. Convém referir, que fomos muito bem recebidos pelo Sr. Padre, que nos deu todas as indicações a serem seguidas e cumpridas. Após uma noite mal dormida causada pelo desconforto do ruído inconveniente de alguns alunos de ambos os cursos,… fomos na manhã do dia nove,  presenteados no salão das refeições com um pequeno-almoço revitalizante.

Cerca das 8h45m, já prontos para as “tarefas” do novo dia, partimos levando na bagagem boa disposição, apesar do sono ter sido curto para muitos.

Chegados ao Alqueva, o mágico lago suscitou o interesse de todos. Mas o ponto fulcral da nossa atenção situou-se na visita à Central Hidroelétrica. Nas instalações da central foi feita uma pequena apresentação do complexo com uma breve referência aos empreendimentos hídricos que a EDP possui. Divididos em dois grupos, tivemos a oportunidade de aceder a diversas partes desta central com explicações técnicas seguidas com a máxima atenção pelos alunos de eletrotecnia. O reforço de um conhecimento multidisciplinar e visão sistémica numa área tão específica, captou o interesse dos alunos de gestão.

 Depois de apreciarmos a riqueza, os aromas e o prazer da cozinha alentejana no “Restaurante Bragança” sediado em Mourão, partimos para a Herdade do Esporão.

Visita exemplarmente guiada pela Adega onde são concebidos os vinhos brancos, foi-nos feita uma descrição detalhada do processo de vinificação dos mesmos com uma explicação detalhada da forma como é feita a imputação de custos. A seguir, visitámos a linha de engarrafamento onde se engarrafa o vinho e onde se coloca o mesmo nas respetivas embalagens, para futura comercialização. De seguida, pudemos visitar o armazém e a cave, ou seja os locais onde se armazenam os vinhos produzidos e onde estes são submetidos ao seu envelhecimento em barricas de madeira de carvalho francês e americano De uma forma entusiástica, foram colocadas questões pelos professores acompanhantes e pelos alunos. Uma aula diferente! Conceitos de marketing, economia, gestão, contabilidade e cálculo foram explorados: segmentação, política do produto, política de marca, política de preço, política de comunicação, política de exportação, política de desenvolvimento da empresa, etc. Aqui está um bom exemplo, que mostra que podemos modificar a forma de ensinar e de aprender. Um ensinar mais compartilhado. Uma aula ao vivo! Uma certeza que dá lugar não só a novas descobertas como à interiorização correta da matéria que é explorada nas aulas.

De regresso a Estarreja, ainda tivemos tempo, apenas para duas breves paragens: Portalegre e Torres Novas. Ficou a tristeza de não termos tido tempo para visitar Marvão, terra da colega Luísa Garraio.

E foi assim durante dois dias, que para muitos serão inesquecíveis. Todos os alunos  acompanharam de forma atenta as explicações dadas nos diversos locais visitados, convivendo alegremente. Os objetivos desta visita foram totalmente concretizados e as expetativas criadas foram completamente satisfeitas.

Professores envolvidos na organização/orientação desta visita de estudo: Amadeu Santos (grupo 430), António Estrela (grupo 540), Adriana Branco (grupo 500), Dinis Figueiredo (grupo 510), Joaquim Matos ( grupo 540 ), Luísa Garraio (grupo 430), Marília Teixeira (grupo 430), Margarida Teixeira (grupo 540), Renato Oliveira (grupo 540), Rosário Santos (grupo 430).

CERCI de Estarreja – Entrega de donativo

Não faltam pretextos para uma visita à CERCI de Estarreja. Mas foi no âmbito de um Projecto, Deco Jovem,  com a exploração de ideia de um negócio empreendedor, Doces Pretextos Lda., que os alunos da turma do 11º I do Curso Profissional Técnico de Gestão da nossa Escola, Secundária de Estarreja,  que acompanhados, não só por mim, Directora de Curso, como pelas duas professoras responsáveis pelo projecto, Luísa Garraio e Marília Teixeira, fizeram questão de entregar pessoalmente o lucro do negócio à  Direcção da Instituição.

À entrada, num espaço acolhedor, fomos, na manhã desta última quinta feira,  dia 18,  amavelmente bem recebidos pela Prof.ra Maria de Lurdes Breu, Presidente de Direcção da CECIESTA (Cooperativa para Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas de Estarreja,C.R.L.), que fez as honras da casa.

Visita extremamente gratificante, que a todos tocou. É emocionante ver o trabalho de toda uma equipa, alguns deles em regime de voluntariado, que no seu dia-a-dia dão um exemplo de determinação, solidariedade, dedicação, carinho e muito amor ao próximo. É visível a alegria e a felicidade que transparecessem  no olhar e sorriso dos vários jovens e adultos utentes desta instituição, que tendo nascido com algumas diferenças/limitações, nos brindaram com belíssimos trabalhos, que vão realizando de acordo com as suas aptidões e gostos pessoais em várias áreas/valências: tecelagem, costura, pintura/cerâmica/olaria, carpintaria e montagens. Nesta instituição vive-se e cria-se o  dinamismo do reconhecimento efectivo da igual dignidade humana, no pleno exercício do princípio da  universalidade, da integração e da qualificação diferenciada.

Fica aqui o arrepio da emoção! A CERCISESTA é uma bela lição de vida. Tenham a certeza de que não é a primeira nem a última visita. É a primeira de muitas. Para falar verdade, senti prazer em vir aqui!

Para que possam apreciar, deixo-vos com alguns momentos da nossa visita e, também, alguns dos trabalhos realizados pelos alunos da Cerciesta.

 

– Alunos em visita …

– Painel de azulejos pintados à mão –

–  Boneca utilizada no processo de ensino/aprendizagem…

– Tapeçaria –

– Tapetes e carpetes  feitos  em teares –

– Naperons pintados à mão –

– Sacos feitos em teares –

– Bonecos feitos à mão –

Venha descobrir o que é realmente viver o sentido de amar ao próximo. Colabore com a CERCIESTA, não só enviando donativos como adquirindo algumas das sua peças ou até encomendando…

Rua da Fontinha 3860 – 248 Estarreja.

Email:cerciesta@netvisao.pt

http://cerci-cerciesta.blogspot.com/

TEL: 234843093 FAX: 234191393