PORDATA – Isto é Comigo?

A partir do dia 2 de Março, acompanhe na RTP – RTP1, RTP2, RTP Informação, RTP Internacional e RTP África – a rubrica “Isto é Comigo?”. Porque a compreensão das estatísticas não tem que ser um assunto exclusivo de especialistas, os programas falam de uma forma clara e acessível, sobre conceitos e indicadores que, apesar de serem familiares e de nos implicarem enquanto cidadãos, nem sempre são de compreensão imediata ou óbvia.

Um ótimo recurso pedagógico.

(clique na imagem e aceda ao site …)

www

 

Empreendedorismo para o Desenvolvimento Sustentável – Um caso de sucesso

EMS

Um ótimo exemplo de EMPREENDEDORISMO para o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL – Projeto African Clean Energy

Aqui fica a notícia!

“Para muitos de nós, que estamos agora na frente de um computador ou usando algumas das mais avançadas tecnologias móveis, pode ser muito difícil imaginar que neste mesmo momento, 3 bilhões de pessoas ao redor do planeta ainda precisam cozinhar seus alimentos em fogareiros rústicos, quase iguais aqueles utilizados na Idade Medieval.

A fumaça gerada por estes fogareiros é extremamente tóxica, conhecida como carbono negro. A Organização Mundial de Saúde estima que ela seja responsável pela morte de 4 milhões de pessoas anualmente. Ao inalar continuamente esta fumaça, elas acabam sofrendo com problemas respiratórios, pneumonia, doenças pulmonares e catarata.

Mas o projeto African Clean Energy* quer mudar esta triste história. Numa fábrica em Lesoto, país extremamente pobre no sul da África, Stephen e Alice Walker – marido e mulher, criaram um negócio para impactar a vida de milhares de pessoas.

A empresa familiar desenvolveu o ACE 1, um fogão portátil movido a biomassa(combustível limpo) e o mais importante de tudo, que não produz fumaça. 

Além de necessitar de aproximadamente 70% menos combustível para funcionar do que fogões portáteis tradicionais, o ACE 1 foi projetado internamente com telhas cerâmicas, o que retem o calor por muito mais tempo.

Continuar a ler

5.ª Conferência Internacional de Educação Financeira (UA) – perspetivas e reflexões: por uma cidadania ativa

Conf

Perspetivas e reflexões: por uma cidadania ativa” é o tema da 5.ª Conferência Internacional de Educação Financeira, que terá lugar no campus universitário de Santiago (Aveiro), nos próximos dias 15 e 16 de julho, numa organização conjunta do PmatE – Projecto Matemática Ensino e da UNAVE- Associação para a Formação Profissional e Investigação da Universidade de Aveiro.

 A conferência está acreditada pelo Conselho Científico-Pedagógico para a Formação Contínua (CCPFC), respondendo à importância dos professores para o efetivo desenvolvimento e promoção de uma educação mais financeira.

As inscrições decorrem até 30 de junho de 2014 (com desconto até 15 de junho).

Empregabilidade jovem – IMPULSO JOVEM

Em resposta ao agravamento da situação do desemprego jovem em Portugal e ao desafio proposto pelo Presidente da Comissão Europeia aos oito Estados membros que apresentam maiores dificuldades de integração da população jovem no mercado de trabalho, o Governo português promove o Plano Estratégico «Impulso Jovem» assente em três pilares, apoiado por diversas medidas:

– Estágios profissionais «Passaporte Emprego», destinado a incorporar jovens desempregados em entidades com ou sem fins lucrativos, em particular as do setor de bens transacionáveis nas regiões de convergência (Norte, Centro e Alentejo), e a facilitar a transição para o mercado de trabalho nos setores de aposta estratégica através de um mecanismo de estímulo à contratação, incluindo um prémio de integração dependente da contratação sem termo

– Apoio à contratação e ao empreendedorismo e do Programa «Portugal Empreendedor», abrangendo um conjunto de medidas articuladas que desenvolvem projetos de empreendedorismo levados a cabo por jovens ou por empresas que recrutem jovens desempregados há mais de quatro meses e com qualificações superiores.

  •  Adoção do Programa «COOP Jovem»como projeto de empreendedorismo jovem, apoiando a criação de cooperativas, através do financiamento direto por cada cooperante que tenha idade compreendida entre os 18 e os 30 anos e o 9º ano de escolaridade
  • Desenvolvimento do programa nacional de microcrédito, destinado a facilitar o acesso ao crédito – através da tipologia MICROINVEST – e a prestar apoio técnico na criação e na formação do empreendedor durante os primeiros anos de vida do negócio, dando prioridade aos casos em que o beneficiário ou contratado tenha idade compreendida entre os 16 e os 34 anos e seja um desempregado inscrito num centro de emprego há, pelo menos, quatro meses

– Apoio ao investimento – O financiamento do Plano «Impulso Jovem» obedece às linhas estratégicas definidas pela Comissão Interministerial de Orientação Estratégica dos Fundos Comunitários e Extracomunitários, assegurando-se que uma parte dos apoios previstos são direcionados para as regiões de convergência (Norte, Centro e Alentejo), de forma a contribuir para a redução das assimetrias regionais e para a coesão territorial, social e nacional.

Fonte: CIEJD

KIVA, plataforma de combate à pobreza – Empreendedorismo em ação através da realização de microcréditos

 “O grande desafio que enfrentamos hoje é certificarmo-nos de que, em vez de deixar para trás milhares de milhões de pessoas que vivem na miséria, a globalização se torne uma força positiva para todos os povos do mundo”.

 Kofi Annan, Relatório do Milénio

KIVA é uma organização sem fins lucrativos com a missão de combater a pobreza, ligando pessoas em todo o mundo, através da realização de microcréditos.

Kiva proporciona um serviço acessível pela internet, permitindo emprestar a alguém carenciado, mas empreendedor e que viva nos países em vias de desenvolvimento, pequenas quantias, que podem fazer toda a diferença. Montar o seu próprio negócio será o impulso inicial que levará alguém a sair da pobreza e ao mesmo tempo estimular a economia local e até quem sabe criar emprego.

O compromisso é que essas pessoas ou famílias terão que devolver o dinheiro recebido, à medida que o seu negócio vai prosperando e começam a surgir os primeiros rendimentos. Para além disso o Kiva permite a quem empresta acompanhar a evolução do projeto do mutuário, o que, para além do mais, é extremamente gratificante.

Esta poderosa  plataforma tem 137 parceiros no terreno (organizações não-governamentais) que recebem, analisam e gerem os pedidos de financiamento. Quando as pretensões são aceites, o montante, a razão do empréstimo e a história de vida dessas pessoas, são alojadas  no site para que qualquer cibernauta possa  decidir a quem emprestar dinheiro.

O Kiva estabelece que cada pessoa só pode emprestar 25 dólares ( cerca de 20 euros) de cada vez, o que faz com que cada empreendedor tenha mais do que um financiador. Ao reaver o dinheiro, quem empresta pode investir em novos projetos ou fazer uma doação à Kiva.

(clique na imagem e aceda ao site)

  PARTICIPE! 

Relatório Mensal de Economia- Dezembro 2010

Merece uma leitura atenta o Relatório Mensal de Economia referente ao mês de Dezembro. A destacar as previsões de Outono da Comissão Europeia, que apontam:

  • Uma lenta retoma da economia da zona do euro em 2011 e 2012;
  • Queda do PIB de 1% em 2011 para Portugal, com crescimento lento em 2012.
( Clique na imagem para aceder ao documento)

Gestão Estratégica do Crescimento Económico em Portugal Livro recomendado

Na actual conjuntura de crise económica que exige medidas de austeridade, recomendo aos interessados, a leitura deste livro que faz o diagnóstico da situação da economia portuguesa num contexto de globalização, propondo áreas de actuação e soluções para um  crescimento económico, efectivo.gestao-estrategica-do-crescimento-economico-em-portugal

 Gestão estratégica do crescimento económico em Portugal

Nuno de Souza e Silva

Utilizando os conceitos de gestão estratégica, de gestão de desempenho e do Balanced Scorecard, elabora-se um mapa estratégico para o crescimento económico. Esse mapa estabelece uma visão e uma missão, estrutura os objectivos e áreas estratégicas de actuação e evidencia a sua interligação

A obra sistematiza e integra aspectos como:

– a criação de valor;

– a formação de capital humano;

o investimento;

– a inovação;

– a competitividade externa;

– a concorrência;

– a criação de empresas;

– a gestão macroeconómica.

Para cada uma daquelas áreas propõem-se indicadores estatísticos adequados.

Foi feita uma análise sectorial obtendo informação para os níveis de produtividade de 54 sectores de actividade da economia portuguesa, onde foi possível identificar os níveis de produtividade existentes, o contributo de cada sector para a produtividade média nacional, o efeito do peso do emprego de cada sector, as dinâmicas de crescimento de produtividade para cada sector e algumas comparações internacionais

Colecção Vida Económica