Economia Circular

O que é a Economia Circular?

O conceito de economia circular constitui uma resposta ao desejo de um crescimento sustentável no contexto da pressão crescente que a produção e o consumo exercem sobre o ambiente e os recursos mundiais. Até à data, a economia tem funcionado sobretudo com base num modelo linear de «recolha, produção e eliminação», segundo o qual todos os produtos alcançarão inevitavelmente o seu «fim de vida útil».

Na UE, cada pessoa utiliza cerca de 15 toneladas de materiais por ano, enquanto cada cidadão da UE gera anualmente, em média, mais de 4,5 toneladas de resíduos, sendo quase metade destes depositada em aterros. A economia linear, que depende exclusivamente da extração de recursos, deixou de ser uma opção viável.

A transição para uma economia circular redireciona o foco para a reutilização, reparação, renovação e reciclagem dos materiais e produtos existentes. O que era visto como «resíduo» pode ser transformado num recurso.

Anúncios

Adidas e Parley produzem ténis feitos com lixo plástico

Já começou a produção de 1 milhão de ténis feitos com lixo plástico retirado do oceano!

adidas-parley-conexao-planeta

Adidas e Parley acabam de anunciar que, a partir deste mês, 7 mil ténis estarão à venda nas lojas da marca, ao preço de 220 dólares. Cada par usa onze garrafas plásticas, transformadas em fios, na fabricação de sua parte superior. Já a sola, cadarço e a meia embutida são confeccionados com resíduos de garrafas PETreciclados.

Além do ténis, batizado de UltraBOOST Uncaged Parley, a marca desenvolveu camisas, também com lixo plástico, para os jogadores de futebol das equipes do Real Madrid e Bayern de Munique.

adidas-parley-bayer-conexao-planeta

Longe de ser somente uma ação de marketing,  a Adidas se comprometeu publicamente a produzir, até o final de 2017, no mínimo 1 milhão de pares do novo ténis. O objetivo da empresa, impulsionada pela parceria com a Parley, é deixar de usar plástico virgem na fabricação de seus calçados.

Estima-se que estejam espalhados pelos oceanos do planeta aproximadamente 5,2 trilhões de resíduos plásticos. Este mês, uma imagem chocante rodou o mundo, mostrando imensas baleias cachalotes mortas na areia. Treze delas encalharam em março deste ano, na costa norte da Alemanha, mas só agora, em novembro, pesquisadores daquele país divulgaram o resultado da autópsia  realizada nos animais  revelaram que, no estômago de quatro delas, foi encontrada uma enorme quantidade de resíduos plásticos, entre eles, uma rede de pesca de 13 metros de comprimento. 

“Ninguém conseguirá salvar os oceanos sozinho. Cada um de nós deve desempenhar um papel. Está nas mãos das indústrias inovadoras reinventar materiais, produtos e modelos de negócios. E o consumidor deve pressionar por esta mudança”, afirmou Cyrill Gutsch, fundador da Parley for the Oceans.

Agrupamento de Escolas de Estarreja na Mostra Final Projeto Ciência na Escola

Nesta Mostra Final, Projeto Ciência na Escola – Fundação Elídio Pinho estiveram presentes cinco alunos de quatro Cursos Profissionais, Mecânica, Informática, Eletrotecnia e Gestão, que dignificaram o nome do nosso Agrupamento. Foram alvo dos mais rasgados elogios pela forma como se apresentaram e defenderam o projeto KIT AMBIENTAL, EKOTREE.
Ao Pedro Valente, Pedro Elói, Rui Figueiredo, Rafael Ruela e Katerine Ferreira um agradecimento especial e muito sentido.

14222307_1696182724035452_5492574480541118537_n

14568104_10211012634182250_6395387923222415335_n

14330001_1696182824035442_5291269913935458766_n

14344193_1696183354035389_3359368887712112808_n

14354957_1696183254035399_7080217739127477898_n

14433176_1696183350702056_5740315964400256733_n

14369958_1696183370702054_7001332635487436534_n

14359056_1696183614035363_3030620328353081213_n

14433015_1696182837368774_5156858767082762192_n

14344956_1696183447368713_10999420988907200_n

14390814_1696182884035436_4671004348273871596_n

14446016_1696182727368785_1191052259883386116_n

14355808_1696182730702118_6744702010194405951_n

14355149_1696183747368683_8727779155663711649_n

14441008_1696183687368689_728005488800340016_n

14446066_1696183530702038_7807585419970779601_n

14449822_1696183484035376_6351214769168355379_n

14457334_1696182820702109_4344741265003595402_n

14450000_1696183230702068_8141267051181127339_n

14370416_1696183797368678_6697888936908138968_n

14368817_10210872685923631_5736464700361884732_n

CASA DE PÁSSAROS MEDE QUALIDADE DO AR E OFERECE WI-FI

TreeWifi-1020x610

“A startup holandesa TreeWifi constrói casas de pássaros que medem a qualidade do ar, tornando visível o nível de poluição ao acender uma luz LED. E quando o equipamento regista uma melhoria na qualidade do ar, ele oferece a todos os que por lá passam wi-fi gratuito, disponibilizando ainda dicas  sobre como melhorar a qualidade do ar local.

O projecto iniciou-se com uma bolsa da Awesome Fondation Amsterdam, em Março de 2016, e desde então a equipa obteve um financiamento no valor de €6.500 para desenvolver o seu protótipo e construir cinco novas casas para espalhar pela cidade de Amesterdão, revela o inhabitat.

As reacções ao projeto têm sido positivas, até porque se trata de um equipamento muito barato quando comparado com as estações estatais de medição da qualidade do ar, pelo que o seu fundador espera poder instalar pelo meno 500 unidades naquela cidade holandesa ou até mesmo noutras cidades europeias.

Para além do factor preço o projecto tem conquistado também pela sua vertente lúdico-pedagógica e geradora de notoriedade.”

Fonte :Green Savers

Piriscas de cigarro para produzir tijolos sustentáveis

Pesquisador australiano usa bitucas de cigarro para produzir tijolos sustentáveis

A opção reduz os custos da produção, elimina um poluente e, ao mesmo tempo, melhora a qualidade do produto final.

O pesquisador Dr. Abbas Mohajerani, da Universidade RMIT, na Austrália, encontrou uma solução para as piriscas de cigarro: transformá-las em matéria-prima para a fabricação de tijolos. Segundo ele, esta pode ser a solução para compensar completamente a produção de resíduos do cigarro no mundo.

Anualmente milhões de piriscas são descartadas nas ruas. Este lixo, altamente tóxico, leva anos para se degradar e ainda polui o solo e os recursos hídricos com elementos como: arsénio, cromo, níquel e cádmio. Essas características, aliadas à enorme quantidade, tornam as piriscas grandes vilãs do meio ambiente.

Há anos o Dr. Mojaherani sonhava com uma solução para este problema. Agora ele parece ter encontrado. De acordo com o pesquisador, é possível usar o resíduo dos cigarros junto à argila na fabricação de tijolos. A opção reduz os custos da produção, elimina um poluente e, ao mesmo tempo, melhora a qualidade do produto final.

Os testes realizados pela equipe do Dr. Mojaherani identificaram que substituindo apenas 1% da matéria-prima do tijolo pelas piriscas em somente 2,5% da produção mundial do material é possível compensar completamente a produção anual de cigarro em todo o mundo.

A mistura ainda garante outros benefícios. Os cientistas perceberam que os tijolos que mesclam a argila com as piriscas são mais leves, têm melhores propriedades de isolamento térmico e levam menos tempo para serem queimados durante o processo de fabricação, economizando até 58% de energia nesta etapa.

A aparência é exatamente igual à dos tijolos tradicionais e o pesquisador garante que ele não oferece nenhum risco à saúde, já que durante a queima, os poluentes ficam presos aos tijolos e dali não saem nunca mais.

“A incorporação de piriscas em tijolos pode, efetivamente, resolver um dos problemas globais de lixo”, acredita o Dr. Mohajerani. 

Fonte: Ciclo Vivo

IMIGRAÇÃO GLOBAL

TER OU NÃO TER, EIS A QUESTÃO|

Se toda a riqueza é o produto do trabalho, porque é que a riqueza do mundo está nas mãos de alguns indivíduos e não na classe trabalhadora?

Confira a resposta visionando o pequeno vídeo.

UE – Comité das Regiões dá curso online

Captaaaurar

Em 19 de outubro de 2015, o Comité das Regiões Europeu abrirá um curso em linha gratuito sobre «Regiões, Instituições da UE e elaboração de políticas» numa plataforma de aprendizagem em linha (em inglês).

O curso foi concebido para responder aos interesses das autoridades locais e regionais mas está aberto a todos os que se interessam pela UE e pelas suas regiões e cidades. As inscrições abriram em agosto de 2015.

Durante os seus oito capítulos temáticos semanais, 50 políticos, peritos e académicos poderão exprimir-se sobre temas de interesse para autoridades locais e regionais, como a política de coesão da UE, a especialização inteligente, a migração e o acesso a programas da UE, entre outros.

Este curso de aprendizagem eletrónica inclui vídeos, fichas de informação e debates em direto a transmitir pela Internet do Comité das Regiões ao que acresce um fórum social para intercâmbio e retorno de informações. Os participantes que concluírem 80 % do curso podem receber um certificado de participação.

Ligações úteis: