Competências Empreendedoras

Em julho de 2011,  o IEFP publicou um documento que visa proporcionar aos formadores as aquisições de saberes, técnicas e metodologias, de forma a poderem desenvolver nos seus formandos/as competências comportamentais para o empreendedorismo.

Pode ler-se no documento, que o desenvolvimento de competências empreendedoras passa pela criação de um contexto rico em oportunidades de desenvolvimento pessoal e de exercício dos saberes, sendo representado na seguinte forma gráfica.

Não deixe de consultar o documento na íntegra. ( clique na imagem )

Fonte: IEFP
Anúncios

Projecto BESP – Benchmarking das Escolas Secundárias

O projecto BESP Benchmarking das Escolas Secundárias Portuguesas apresenta uma plataforma web inovadora em Portugal. Esta plataforma serve de apoio às escolas em duas grandes vertentes da sua avaliação: Avaliação Interna e Avaliação Externa.

A partir da consulta deste site,  é possível analisar um conjunto de indicadores que  mostram o desempenho das escolas a vários níveis (contexto, resultados, recursos e processo) e são produzidos para dois tipos de cursos: científico-humanísticos e profissionais. Para produzir os indicadores são utilizados dados provenientes do Ministério da Educação (resultados de exames nacionais) e das próprias escolas.

Recomendo esta plataforma que devia ser objecto de análise cuidada, por todos os professores/formadores e outros agentes intervinientes no processo educatico. Quais são as escolas que apresentam melhores resultados? Quais são as práticas utilizadas? Será que as outras podem aprender com  as escolas que apresentam melhor desempenho? Falamos de benchmarking…

Para proceder à inscrição como utilizador e consultar toda a informação disponível, clique na imagem

projecto BES - benchmarking

The Marketing Service Time – 4ª edição

11 de Março será a data de realização da 4ª edição do QSP Summit, na Exponor.  “The Marketing Service Time” é a temática desta conferência internacional, a contar com Leonard Berry, Klaus Wertenbroch e Pedro Dionísio como oradores principais.
 
O recurso ao marketing em serviços é cada vez mais relevante para as organizações, que tendem a afirmar o seu diferencial na oferta de produtos com serviços agregados reconhecidos e valorizados pelo cliente, traduzindo-se em fidelização e aumento de rentabilidade. Por outro lado, também é inequívoca a importância determinante dos “touch points” no sucesso das organizações, onde o processo de operacionalização do serviço contará com inúmeros factores estratégicos que serão destacados nas diferentes intervenções da QSP Summit 2010.
 
Leia aqui o programa:
 
 
Fontes: Blogue: – FaceTuris

 

Semana europeia das cibercompetências

A Semana Europeia das Cibercompetências, 1ª edição em 2010, decorre de 1 a 5 de Março, e  pretende pôr em destaque a crescente procura de utilizadores e profissionais qualificados das TIC e a importância deste sector na preparação de uma Europa mais competitiva e inovadora. A campanha visa sensibilizar os estudantes, os jovens profissionais e as PME para as muitas oportunidades suscitadas pelas tecnologias da informação e da comunicação.

Esteja atento às conclusões desta semana europeia e-Skills.

Fonte: http:/esklls-week.ec.europa.eu/web/guest

Erasmus para Jovens Empreendedores

O programa Erasmus para Jovens Empreendedores destina-se a incentivar, por um lado, o empreendedorismo e a competitividade, e por outro, a internacionalização e o crescimento das novas e «velhas» PME’s da UE. O programa contribui para a transferência de saber-fazer e para o desenvolvimento de competências necessárias à gestão das PME’s.

Está a pensar criar a sua própria empresa ou é já um empresário bem sucedido? Nesse caso, a iniciativa «Erasmus para Jovens Empreendedores» pode ser para si!

Erasmus para Jovens Empreendedores» permite a novos empreendedores trabalhar, por um período máximo de 6 meses, junto de um empreendedor experiente, inseridos na sua PME, noutro país da UE.

Quem pode participar?

Podem participar tanto os novos empreendedores como os empreendedores experientes. Entende-se por «novos empreendedores» os que planeiam efectivamente criar a sua própria empresa ou que já iniciaram a sua actividade nos últimos três anos. Os empreendedores experientes devem ser proprietários ou gerir uma PME na EU, há mais de três anos.

Porque precisamos do Erasmus para Jovens Empreendedores?

O empreendedorismo é essencial para o crescimento económico e a criação de emprego. Muitos fundadores de PME’s carecem de experiência na área da gestão de empresas e não possuem as competências básicas necessárias. Esta situação, associada ao facto de a grande maioria de PME’s operar num único país, entrava o crescimento. O Erasmus para Jovens Empreendedores ajudará os novos empreendedores a adquirir as competências de que necessitam e a alargar a sua actividade a nível europeu.

 Como funciona o Erasmus para Jovens Empreendedores?

Os novos empreendedores deslocam-se a outro país da UE para trabalharem durante algum tempo junto de um empreendedor experiente, inseridos na sua PME. A correspondência entre novos empreendedores e empresários de acolhimento é determinada com o auxílio de organizações intermediárias.

O que proporciona o Erasmus para Jovens Empreendedores?

O Erasmus para Jovens Empreendedores permite a novos empreendedores trabalhar, por um período máximo de 6 meses, junto de um empreendedor experiente, inseridos na sua PME, noutro país da UE. Através do empreendedor de acolhimento, os novos empreendedores adquirem conhecimentos importantes para o lançamento e a gestão das suas PME’s nas seguintes áreas:

•          Factores-chave do sucesso,
•          Planeamento eficaz,
•          Gestão financeira e operacional,
•          Desenvolvimento de produtos e serviços inovadores,
•          Práticas de sucesso na área de vendas e comercialização
.

Além disso, podem alargar os seus conhecimentos nos seguintes domínios:

•          Direito comercial europeu e mercado único europeu,
•          Harmonização europeia,
•          Apoio europeu às PME’s.

Para mais informações sobre o programa ou para se inscrever, como novo empreendedor ou como empreendedor experiente, poderá fazer a sua candidatura no site www.erasmus-entrepreneurs.eu ou contactar a ADRIMAG, organização intermediária do programa, através de e-mail para susana@adrimag.com.pt 

Fonte: ADRIMAG – www.adrimag.com.pt

Nota: A ADRIMAG é uma das 102 organizações Intermediárias, em 21 países, que foi seleccionada pela Comissão Europeia, para gerir o  Programa “Erasmus para Jovens Empreendedores”.

O que é necessário para gerir uma empresa?

Competências básicas para a gestão de uma empresa

 

escritór

  • Gerir a nós mesmos: relação com os colaboradores e no trabalho em equipa;
  • Tomada de decisões: árvores de decisão, avaliação do risco, probabilidade de sucesso;
  • Formulação de estratégias: definição dos objectivos e a melhor forma de os alcançar;
  • Formação da equipa: aprendizagem ou actualização de conhecimentos, mais actividade e motivação;
  • Avaliação do mercado: antecipação do cenário económico envolvente;
  • Gestão financeira: controlo de toda a circulação de dinheiro e planeamento da prosperidade da empresa;
  • Gestão da distribuição: disponibilização de produtos e serviços no local e no momento certos;
  • Gestão temporal: definição de prioridades – importante vs. urgente;
  • Gestão de marketing: incremento do investimento e não da despesa como facto indutor de consumo e compra.

Fonte: Incubadora de empresas da UA

Competências valorizadas pelas empresas …

82834162
De acordo com o Diário Económico, quem quer moldar o seu perfil profissional às preferências das empresas portuguesas  na hora de contratar,  deve trabalhar as seguintes competências:
  1. Espírito de equipa – Trinta empresas elegeram como primordial o espírito de equipa, entendido como a capacidade de integrar um grupo de trabalho, interagir com os colegas e colaborar na execução das tarefas.
  2. Capacidade de iniciativa/proactividade  – A aptidão para contornar obstáculos, propor soluções, promover a mudança de processos e a inovação é a segunda mais valorizada. A capacidade de iniciativa mereceu o destaque de 24 empresas. 
  3. Capacidade de liderança/decisão – A capacidade de liderança foi privilegiada por 19 empresas, que revelaram assim valorizar a atitude determinada dos colaboradores que sabem assumir a liderança, coordenar tarefas e tomar decisões de forma independente e certeira.
  4. Flexibilidade/Capacidade de adaptação – A crise alterou o mercado de trabalho e, talvez por isso, 18 empresas colocaram em evidência a flexibilidade dos profissionais, que devem conseguir adaptar-se a diversificadas exigências e até a mudanças.
  5. Relações interpessoais/capacidade de comunicar e ouvir – A boa capacidade de comunicação de relacionamento interpessoal ganhou a atenção de 17 empresas, que salientam assim a importância de trabalhar com pessoas que sabem ouvir os outros e sabem também fazer-se ouvir.

Fonte: Quero Mais