15.ª edição do Prémio Fundação Ilídio Pinho, “CIÊNCIA NA ESCOLA” – Entrega de Diplomas de Mérito (2.ª fase) – Agrup. Escolas de Estarreja

DSCN0219

O Agrupamento de Escolas de Estarreja, no dia 16 de janeiro, teve a honra de participar na cerimónia de entrega dos DIPLOMAS DE MÉRITO aos professores coordenadores de 4 projetos selecionados pelo Júri Regional, zona centro, bem como do prémio de participação, destinado a apoiar o desenvolvimento dos projetos (2.ª fase), no âmbito da 15.ª edição do Prémio Fundação Ilídio Pinho:

  • “A jogar também se aprende!” – 300,00€ (1.º ciclo, 2.º escalão);
  • DIGITAL LOCKER – “Sistema de Reconhecimento Biométrico” – 500,00€ (3.º ciclo, 4.º escalão);
  • “INTELLIGENT COOLCAR” – A aposta na humanização ecossustentável – 500,00€ (Ensino Secundário, 5.º escalão);
  • “JOYBIKE e TRIREK” – A mobilidade como fator de inclusão e instrumento de humanização – 500,00€ – (Ensino Secundário, 5.º escalão).

A cerimónia teve lugar na Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra, cuja distinção foi entregue pelo Sr. Eng.ro Ilídio Pinho, contando também com a presença da Dr.ª Cristina Oliveira, delegada regional de Educação do Centro, da Dr.ª Maria José Nogueira, anfitriã da cerimónia e diretora da Escola Artística e do Dr. António Proença em representação da coordenação nacional do prémio “Ciência na Escola”.

Este prémio visa motivar todos os alunos, da Educação Pré-Escolar, dos 1.º, 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário, das diferentes vias de educação e formação, para o desenvolvimento de competências, aptidões e métodos de investigação no domínio da Ciência e  da Tecnologia, tendo como principal objetivo, a criação de uma cultura científica nas escolas que permita o desenvolvimento de projetos que sejam estruturantes do ponto de vista do perfil do aluno, ligando este perfil de saída da escolaridade obrigatória, à realidade social e empresarial.

A nível nacional foram submetidos a concurso 1250 projetos provenientes de quase 400 escolas, tendo sido selecionados pelo Júri Regional, 590 projetos para a fase de desenvolvimento, dos quais 247 da Região Centro.

Nesta cerimónia, o nosso agrupamento ao ser convidado para efetuar uma apresentação pública do Projeto COLTEC, premiado com menção honrosa na edição anterior, deixa uma marca importante de profissionalismo, pelo produto apresentado (colete tecnológico), alicerçado nas interligações do conhecimento científico e inovação tecnológica. Orgulha-se de ser neste momento, um Agrupamento de referência, com uma imagem de qualidade que se vai consolidando ano após ano.

DSCN0238

DSCN0214

33

26734295_1975680736085648_1219119842982824081_n

Anúncios

15.ª Edição do Prémio Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola” | Agrup. de Escolas de Estarreja com 4 projetos na FASE DE DESENVOLVIMENTO

15 - Edição Ilídio Pinho

Pelo terceiro ano consecutivo, o Agrupamento de Escolas de Estarreja se destaca pela sua dinâmica e ações promotoras da educação para o empreendedorismo, práticas alicerçadas nas interligações do conhecimento científico e inovação tecnológica. 

Quatro projetos foram considerados de mérito e passaram à fase de desenvolvimento, no âmbito da 15.ª Edição do Prémio Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola” – 2017/2018, em parceria com o Ministério da Educação e o Ministério da Economia, subordinados ao tema “A Ciência na Escola ao Serviço do Desenvolvimento e da Humanização”:

2.º Escalão

  • Título: “A jogar também se aprende!”
  • Coordenadora: Catarina de Ascensão Nascimento Rodrigues

4.º Escalão

  • Título: DIGITAL LOCKER – “Sistema de Reconhecimento Biométrico”
  • Coordenadora: Filipa Maria do Nascimento Inocêncio Vidal

5.º Escalão

  • Título: “INTELLIGENT COOLCAR” – A aposta na humanização ecossustentável
  • Coordenador: José Samuel Ramos Pereira

 

  • Título: “JOYBIKE e TRIREK” – A mobilidade como fator de inclusão e instrumento de humanização
  • Coordenadora: Maria do Rosário Cruzeiro Marques dos Santos

Esc. Secundária de Estarreja – Árvore de Natal

Foto de Rosário Santos.

O Grupo Curricular de Mecânica, da Escola Secundária de Estarreja, encontra-se a desenvolver projetos subordinados a temas diversos, cuja primeira série, esta com a assinatura do professor Nuno Branco e seus alunos, resultou na apresentação de alguns trabalhos alusivos ao Natal e ao meio ambiente, enquadrados na filosofia da economia circular. Parafusos, anilhas, pregos e pequenas tiras de ferro considerados desperdícios, foram reutilizados na construção de peças de design. Promover a aquisição de valores inerentes a um desenvolvimento sustentável, combatendo o desperdício foi o mote dado –  “Nas oficinas de Mecânica nada se perde tudo se transforma”.

A atitude de consumir e deitar fora, de reciclar e deitar fora não vai resultar no futuro. Aqui ficam alguns bons exemplos de peças, cujo trabalho de sensibilidade artística e de técnicas, resultaram do olhar atento sobre a realidade, no reconhecimento da necessidade de cuidar do ambiente com respeito e criatividade.

Aquilo que, se chama de lixo/resíduo/desperdício, na verdade é um conjunto de matérias-primas preciosas que podem trazer benefícios sociais, económicos e ambientais para o nosso Planeta. O final de vida de um produto terá de ditar o início de outro. A ECONOMIA CIRCULAR tem por principio ser REGENERATIVA e RESTAURATIVA.

121919122003DSCN9628DSCN9638

 

ECONOMIA CIRCULAR – Sessão Informativa | SEMA

Imagem1

No dia 28 de novembro, no Centro de Negócios do Eco Parque Empresarial de Estarreja, duas turmas do 12.º Ano da Escola Secundária de Estarreja, Técnico de Gestão e Técnico de Produção em Metalomecânica, participaram numa Sessão Informativa sobre uma nova forma de se pensar a utilização dos recursos naturais, “Economia Circular”, nas áreas da Química e da Metalomecânica, cujo evento foi uma iniciativa da SEMA, Associação Empresarial Sever do Vouga, Estarreja, Murtosa e Albergaria-a-Velha.

Com base numa profunda experiência profissional, alicerçada por formação académica em diversas áreas do Ambiente e Recursos Naturais, o Prof. Dr. Carlos Borrego, primeiro orador e numa abordagem cativante, reforça a importância da transição de uma economia linear para uma economia circular, ao ser prossecutor de abordagens inovadoras, que se traduzem na necessidade de serem desenvolvidas novas eficiências e reciclabilidade dos resíduos. A economia mundial tem sido construída, desde os primórdios da industrialização, com base num modelo linear de consumo de recursos que segue um padrão “extrair-produzir- consumir- deitar fora”, que se encontra nos dias de hoje sob ameaça devido à forma e velocidade insustentável como são usados os recursos naturais, cada vez mais escassos.

Senão, vejamos os dados divulgados:                                  

– “Na UE, cada pessoa consome atualmente 16 toneladas de materiais por ano, das quais 6 toneladas são desperdiçadas, acabando metade nos aterros. – Em 2014, só em Portugal cada habitante produziu 425 kg de lixo (mais 2,5% do que em 2013). – Na Europa, 31% dos alimentos são desperdiçados ao longo da cadeia de valor. – Um carro europeu está estacionado em média 92%.  – Um escritório é usado apenas 35% a 50% do tempo, mesmo durante o horário de trabalho. – Nas indústrias do aço, plástico e papel perdem-se entre 30 a 75% do valor dos materiais no 1.º ciclo produtivo. – A União Europeia importa 6 vezes mais materiais e recursos naturais do que exporta. Em média, a Europa usa os materiais apenas uma vez.  Se continuarmos a utilizar os recursos ao ritmo atual, em 2050 teremos necessidade, em termos agregados, do equivalente a mais de dois planetas para nos mantermos.”

Uma realidade preocupante que não deixou ninguém indiferente!

Segundo o mesmo orador, não basta reciclar! A economia circular vai muito além da reciclagem, algo muito mais ambicioso como PREVENIR, REUTILIZAR, RESTAURAR, REGENERAR, promovendo a mobilização geral rumo a um novo estilo de vida, que respeite os limites impostos pelo planeta Terra.  Os resíduos deixam de ser um fim em si mesmos e tornam-se reutilizáveis. Em 2020 os resíduos terão que ser geridos como um recurso. O final de vida de um produto poderá ditar o início de outro. São estes os princípios que norteiam a economia circular.

Como avaliação da atividade, destaca-se o facto de ter sido do agrado de todos os alunos e professores participantes, pela atualidade e importância da informação/formação de uma consciência esclarecida, atenta e orientada para a prossecução dos objetivos do desenvolvimento sustentável e da ECONOMIA CIRCULAR.

FOTO 1

 

Continuar a ler

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA em destaque no jornal “O Concelho de Estarreja”

Mais uma vez o AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA em destaque, agora no jornal “O Concelho de Estarreja”. 
Neste agrupamento respira-se exigência, através de um PROJETO claro e partilhado de melhoria da qualidade dos percursos educativos de cada um dos nossos alunos. Vários são os projetos e atividades que alicerçam uma construção conjunta de um Agrupamento diariamente melhor, vivenciado com compromissos repartidos em ordem à melhoria contínua do seu desempenho.

20170726_165128-1

Cerimónia de entrega de prémios referente ao Concurso, Prémio Fundação Ilídio Pinho – Ciência na Escola, 14.ª Edição – Discursos

Cerimónia de entrega de prémios referente ao Concurso, Prémio Fundação Ilídio Pinho – Ciência na Escola, 14.ª Edição, “A Ciência e a Tecnologia ao serviço de um mundo melhor”.

DISCURSOS: Ministro da Educação; Presidente da Fundação Ilídio Pinho; Presidente da República.

Projeto “Máquina Multifunções – ESPOLIX” | Mostra Nacional Prémio 14.ª Edição Fundação Ilídio Pinho

19238043_1920069311583296_5264918797923212990_o

Na Mostra Nacional, 14.ª Edição Fundação Ilídio Pinho, a Escola Secundária de Estarreja teve mais outro projeto a concurso, o Projeto “Máquina Multifunções – ESPOLIX, coordenado pelo professor, Samuel Pereira e que recebeu rasgados elogios pela originalidade e utilização que virá a ter nas pequenas e médias empresas.