1 de MAIO – Dia do Trabalhador

1 de MAIO! Zeca Afonso, uma referência humanista da esquerda à direita!

Anúncios

Páscoa – Grito de LIBERDADE …

Páscoa é Ressurreição e Ressurreição é libertação. 

Que esta Páscoa se torne naquele GRITO DE LIBERDADE e traga paz ao mundo, para todos aqueles que sofrem os horrores da guerra, para todos aqueles em que o pão não chega à sua mesa, para que se acenda a LUZ do AMOR naqueles corações com tendências suicidas, fazendo pagar com a vida inocentes, e para todos aqueles que sofrem perseguição por amor à justiça.

_____________

Abolisson (Abolição) música que faz parte do filme “Queimada” de Pontecorvo.(Uma das músicas, mais bonitas, que segue o momento em que escravos libertos chegam à cidade, após lutarem pela liberdade no campo…)

25 de Abril … celebrar a liberdade!

Dia da liberdade – 36 anos depois …

 Este dia é um canteiro
com flores todo o ano
e veleiros lá ao largo
navegando a todo o pano.

E assim se lembra outro dia febril
que em tempos mudou a história
numa madrugada de Abril,
quando os meninos de hoje
ainda não tinham nascido
e a nossa liberdade
era um fruto prometido,
tantas vezes proibido,
que tinha o sabor secreto
da esperança e do afecto
e dos amigos todos juntos
debaixo do mesmo tecto.

                                                  José Jorge Letria

Recomendo uma visita à Página oficial do Centro de Documentação 25 de Abril da Universidade de Coimbra.

25 de Abril … sempre!

 Esta é a madrugada que eu esperava

O dia inicial inteiro e limpo 
Onde emergimos da noite e do silêncio
 E livres habitamos a substância do tempo. 

  Sophia de Mello Breyner Andresen

 

Centenário da República Portuguesa – 1910/2010

Trata-se de uma data muito relevante da nossa História – e extremamente inovadora na Europa – porque a nossa foi a terceira República europeia, depois da França e da Suíça. No início do século XX a regra eram os impérios e as monarquias, com a excepção das Américas, nomeadamente a do Norte, que foi a República que serviu de exemplo a todas as outras ibero-americanas.

Pelos Cem Anos da República, “perpassa uma memória que é, simultaneamente, um convite à recordação e um desafio para uma reflexão permanente ao FUTURO.”

 

A medalha comemorativa aqui apresentada, é da autoria do escultor João Duarte, Professor da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Este escultor foi o vencedor do concurso para a Medalha Comemorativa do Centenário da República Portuguesa, promovido pela Casa da Moeda.

Esta medalha com uma imagem inovadora, representa o ideário republicano, dos valores que legitimaram o novo regime e a sua história.

Segundo João Duarte, esta medalha promove a “unidade reflexa colectiva sobre a identidade nacional, os valores da República (Liberdade, Fraternidade e Igualdade), e o desenvolvimento no reforçar da identidade nacional (escudo português com palma).

No seu interior, (a Alma Republicana) é apresentada uma peça em acrílico preto, em forma de triângulo equilátero, onde em cada lado estão gravadas três palavras, LIBERDADE, FRATERNIDADE e IGUALDADE.

Fonte: Universidade de Lisboa – Faculdade das Belas-Artes