Potencial C – Empreendedorismo no sector das Artes, Cultura e Indústrias Criativas

O projecto Potencial C é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito das artes cultura e indústrias criativas.

Vão decorrer no Porto, nos dias 26 de Fevereiro e 12 de Março, Acções de informação e Seminários, com entrada gratuita e inscrição obrigatória.

Cartaz_Potencial C_Porto

Destinatários:

– Futuros e actuais empreendedores no sector das Artes, Cultura e Indústrias Criativas, com especial relevância para os jovens e as mulheres;

–  Indivíduos com ideias ou projectos com potencial empresarial, com especial relevância para os jovens e as mulheres;

–  Indivíduos a frequentar cursos superiores ou profissionais no âmbito das artes, cultura e indústrias criativas;

– Outros profissionais do Sector das Artes, Cultura e Indústrias Criativas;

– Outros empreendedores e todos os interessados.

Para mais informações sobre este projecto (âmbito, objectivos, parceiros e actividades), clique na imagem

Potencial C

 Fonte: Cidade das Profissões e Agência Inova

Anúncios

Inovações tecnológicas no Consumer Electronics Show 2010

Autênticas maravilhas da tecnologia foram  apresentadas,  no Consumer Electronics Show 2010. É o maior evento de tecnologia do mundo, que este ano se realizou em Las Vegas, nos Estados Unidos.

Visualize aqui as mais recentes inovações tecnológicas!

 

Energias Renováveis – Portugal em 6º. lugar na UE

idieas-mundo Portugal ocupa o sexto lugar no ranking europeu e o nono no mundial de potência instalada de energia eólica com 3.535 megawatts (MW), segundo dados hoje divulgados, em Bruxelas, pela Associação Europeia da Energia Eólica.

Na Europa, a Alemanha e a Espanha lideram a potência instalada europeia, com 25.104 e 19.149 MW, sendo o total da União Europeia de 74,767 MW, ainda segundo as estatísticas da Associação Europeia da Energia Eólica (EWEA, na sigla inglesa), relativas a 2009.

 

A nível mundial, os 3.535 MW de potência cumulativa portuguesa representam 2,2 por cento do total, numa tabela liderada pelos Estados Unidos com 22,3 por cento (35.159 MW), seguidos pela China (25.777 MW, 16,3%).

Depois de Portugal, em décimo lugar, está a Dinamarca, com uma potência cumulativa de 3,465 MW (2,2 por cento).

No total  os dez maiores têm 86,5 por cento da potência cumulativa: 136.508 MW.

De 2008 para 2009, Portugal aumentou em 673 MW (1,8%) a sua potência, estando no último lugar na tabela dos 10 que mais investiram na produção de energia eólica.

A China foi o país que maior número de novos equipamentos de produção instalou o ano passado, tendo aumentado em 13 mil MW (34,7%) a sua potência em relação a 2008.

Segundo informação no Portal das Energias Renováveis, a energia eólica representa, actualmente, 13 por cento do total do consumo energético português. As previsões apontam para que a potência instalada cresça 65 por cento nos próximos quatro anos.

Saiba mais em:

Portal das enregias Renováveis

Fonte: DN Economia de 01/02/2010

Empreendedorismo – Portal europeu para PME

Para assegurar a competitividade e a capacidade de crescimento de uma economia, é fundamental equilibrar o universo de empresas, mediante o incentivo à criação de novas empresas (start-ups) e a gestão da transmissão de empresas.

O crescimento sustentável baseado na inovação e na excelência depende da existência de um número cada vez maior de start-ups, que apresentam um potencial de criação de mais e melhores empregos. Os países que registam um maior aumento do empreendedorismo são em muitos casos os que subsequentemente apresentam maiores descidas das taxas de desemprego. Por outro lado, os sistemas sociais são sujeitos a uma pressão crescente devido à redução da mão-de-obra. Se a Europa quiser preservar com êxito o seu modelo social, necessitará de um maior crescimento económico, mais novas empresas, mais empreendedores dispostos a lançar-se em projectos inovadores e mais PME de rápido crescimento.

É necessário criar na sociedade um ambiente mais favorável ao empreendedorismo, com base numa política integrada que tenha como objectivo não só mudar as mentalidades, mas também melhorar as competências dos europeus e eliminar os obstáculos que dificultam a criação, a transmissão e o crescimento das empresas.

A educação para o empreendedorismo aumenta as hipóteses de êxito das start-up e do emprego por conta própria e reforça a recompensa económica e a satisfação pessoal. Além do mais, uma PME dinâmica que queira crescer só terá benefícios a retirar da presença de jovens dotados de espírito empreendedor e que disponham de competências de empreendedorismo.
Em Fevereiro de 2004, a Comissão adoptou um Plano de Acção para o Espírito Empresarial, que propunha medidas horizontais com vista ao estabelecimento de um quadro de apoio à política para o espírito empresarial. Em Novembro de 2005 foi lançada uma política integrada para as PME.

Consulte neste Portal toda a informação e recursos para tornar a sua PME mais competitiva no espaço europeu

Clique em

Portal europeu para as PME

Livro do dia – Inovação empresarial no séc. XXI

Inovação empresarial no ´sec XXI

Título: Inovação Empresarial no Século. XXI

Autor: Praveen Gupta

Nª. páginas: 480

PVP: € 22

Edição: Novembro de 2008

Editor e distribuição: Vida Económica

Para encomendar 

Encomendas para: encomendas@vidaeconomica.pt

Livraria on line: www.vidaeconomica.pt/livraria

O objectivo deste livro é oferecer uma abordagem abrangente dos processos relacionados com a inovação e um novo enquadramento da inovação – um enquadramento que é sustentável na geração da Internet e na era do conhecimento.

O livro permite dar resposta a algumas questões sobre inovação. De forma a institucionalizar a inovação, os co-autores referem vários aspectos sobre a inovação, desde a sua história às estratégias de implementação. Quando se compreende o processo de inovação, e as pessoas percebem as capacidades e viabilidades da inovação, podemos olhar para o futuro mais próximo, sonhar e acelerar mais ainda a inovação. Todavia, é necessária uma abordagem multidisciplinar para poder desenvolver esse processo.

Esta obra pode ser dividida em três partes.

  • Parte I: Desenvolver a Inovação analisa os aspectos históricos da inovação em desenvolvimento, ferramentas e técnicas actuais ou convencionais, e necessidades futuras. O objectivo da Parte I é trazer conhecimento à inovação enquanto uma arte actualizada.
  • Parte II: Compreender a Inovação apresenta o novo entendimento da inovação e do processo da inovação na era do conhecimento. A Parte II desenvolve o conhecimento da inovação, que apresenta como uma ciência.
  • Parte III: Institucionalizar a Inovação centra-se na implementação de diversos aspectos da inovação de forma a gerar valor. O objectivo da Parte III é aprender métodos para adaptar a inovação a diversas organizações.

Programa INOV Jovem-Formação de Jovens Quadros para a Inovação…

O Programa InovJovem foi lançado pelo Governo com o objectivo de dotar jovens e empresas com mais inovação e maior competitividade, através de processos de formação e estágios.
Tem como objectivo promover a formação de jovens quadros, incentivar processos de inovação, fomentar a criação e a estabilidade no emprego. Este Programa visa a inserção em PME de jovens quadros no campo da gestão e da inovação.

Consulte: INOV JOVEMimage