Big Bang Enterprise – Projeto inovador com 1º. prémio

Junior%20Achievement

A competição europeia, JA-YE Europe Trade Fair2013,  distinguiu com o primeiro lugar a equipa portuguesa do Colégio Luso Internacional de Braga com o desenvolvimento de uma plataforma digital, Virtual Bag. Este evento, reuniu mais de 200 alunos do ensino secundário de 21 países Europeus em Riga, na Letónia, entre os dias 13 e 15 de Março.

As equipas de alunos em competição apresentaram 46 mini-empresas que se distinguiram pela criação de diversos produtos e serviços inovadores e empreendedores. Na JA-YE Europe Trade Fair2013 os alunos tiveram a oportunidade não só de se familiarizarem com o dia-a-dia de diversas multinacionais e esclarecer as dúvidas junto dos seus quadros superiores de gestão, bem como apresentar os seus serviços ou produtos.

A Virtual Bag, uma plataforma digital, projeto ganhador, foi pensado para facilitar o dia-a-dia de alunos e professores, ao substituir os cadernos, livros, fichas de avaliação, etc. A equipa portuguesa foi premiada com Best Overall Company, tendo ainda sido distinguida com o EwB Collaboration Award.

 

Anúncios

25 Anos de Portugal Europeu – os portugueses em 2030

A economia, a sociedade e os fundos estruturais

Com a qualidade a que a Fundação Francisco Manuel dos Santos já nos habituou, este estudo analisa o desenvolvimento da economia e da sociedade portuguesas, ao longo dos primeiros 25 anos de integração na União Europeia. Apresenta a evolução de Portugal perante a União Europeia em cinquenta indicadores, analisa os fundos estruturais que Portugal recebeu e faz uma interpretação do caminho percorrido.

Para saber mais clique sobre a imagem

935771_583782911653534_278774252_n[1]

ou aceda a:http://www.ffms.pt/estudo/18/25-anos-de-portugal-europeu

Concurso Jovem Empreendedor de Estarreja 2013 – Entrega de prémios

Ideia 4

Pelo 4º. ano consecutivo,  o Concurso Jovem Empreendedor de Estarreja 2013 promovido pela Câmara Municipal de Estarreja, DESTAC, DOW Portugal e Escola Secundária de Estarreja, premiou  a criatividade em ideias de negócio inovadoras em duas categorias,  numa sessão pública realizada na Biblioteca Municipal, dia 11 de junho, perante um júri e uma plateia rendida às apresentações:

Ensino básico – 1º. Prémio – José Manuel Tavares Garrido,  Daniel José Costa Marrinhas e Ana Rita Soares de Oliveira Pires ( alunos do 9º ano) – Cheque de 500€ oferecido pela DOW Portugal.

Ideias

Projeto Recoffe Lda., que se baseia na reutilização de cápsulas de café. O principal objetivo circunscreve-se em aproveitar os restos de café para fins terapêuticos. No entanto, as cápsulas podem ser recarregadas com café novo. Um projeto amigo do ambiente.

Ensino Secundário – 1º. Prémio – Celina Bártolo e Sandra Vieira ( Alunas do 12º H do Curso Profissional de Gestão) – Cheque de 500€ oferecido pela DOW Portugal.

Ideia vencedora

Esta ideia premiada baseia-se em duas situações inovadoras:

  •  INTRODUZIR em todos os MUNICÍPIOS Portugueses um novo ecoponto, o SAPATÃO. No SAPATÃO devem ser colocados todo o tipo de materiais de couro e seus derivados, como malas, carteiras, sapatos, cintos, casacos, entre outros. O objetivo principal é apostar na reciclagem e na valorização dos resíduos, encarando-os como matérias-primas e recursos de valor…
  • Criar a ECOSHOOTSHOES LDA. no Ecoparque de Estarreja, com o objetivo de aí serem separados todos os resíduos oriundos do SAPATÂO, em famílias de resíduos:
    • Retalhos/aparas de couro – Produto A
    • Retalhos de borracha e solas e indiferenciados (atacas, palmilhas,) – Produto B
    • Resíduos metálicos – Produto C
    • Indiferenciados ( botões, plásticos, tecidos, …) – Produto D.

Os retalhos/aparas de couro, produto A ( produto principal), destinam-se a ser vendidos a diversas empresas nacionais, umas no setor de curtumes, outras no setor da construção civil, cerâmica, etc., para:

  • Aglomerados de couro ( FIBROCOURO) para produção de materiais flexíveis ou placas rígidas que podem ser utilizados nas indústrias da moda e do automóvel.
    Placas para a absorção de óleos, hidrocarbonetos, diesel e crude.
  • Placas para a absorção de corantes têxteis orgânicos de águas residuais.
  • Aditivo para argila a ser incluído na fabricação de tijolos.
  • Folhas fibrosas para aplicação no setor da construção civil.
  • Compósitos de borracha vulcanizada para calçado e outras utilizações.

2º . Prémio – Gummylight – Gomas com hiostória – Loja aoline, projeto apresentado pela Sandra Esteves também aluna do 12º Ano do Curso Profissional de Gestão.

Ideia3

Uma loja online criada para satisfazer as necessidades do mercado,  focalizada em 2 aspetos:

  1. Inovação ao nível da apresentação do produto final: “ Gomas com história”. O objetivo passa por fomentar uma “CULTURA COM SABOR”, fornecendo conceitos em forma de histórias/contos infantis, história de nomes próprios, história do alfabeto, história dos números, despertando nas crianças o prazer pela leitura.
  2. Inovação ao nível do FABRICO. Gomas tradicionais, mas  com a ideia de evoluir  para:

–  GOMAS NUTRICIONAIS com vitaminas e menos açúcar.

– GOMAS NUTRACÊUTICAS, isto é, que fazem bem devido à presença, por exemplo, de bífidos ativos.

3º. Prémio – MySOCAR Um projeto apresentado pelo aluno, Miguel Ângelo, do 11º Ano do Curso Profissional de Gestão.  Criar um carro diferente e amigo do ambiente esteve na base da ideia. O teto do veículo formado por painéis solares, acumularia energia para posteriormente ser usada na deslocação do automóvel.

__________________________

Reconhecer a criatividade dos mais novos, num misto de determinação e espírito de liderança são os grandes propósitos desta iniciativa. Com um olhar projetado no futuro, os nossos jovens quando motivados e estimulados a pensar, através de ações estruturadas com objetivos bem definidos, os resultados são claramente impressionantes. Fiquemos, então,  à espera que para o ano esta iniciativa se repita!

Não deixe de consultar site da CME:

http://www.cm-estarreja.pt/newstext.php?id=8550

Projeto inovador – Plástico biodegradável

milagre

O uso de plásticos na agricultura tem crescido de uma forma desmesurada, existindo um termo novo para designar a combinação de ambos: plasticultura. Além de cobrirem estufas, embalarem fardos ou acomodarem plantas em viveiros, os plásticos são cada vez mais empregues directamente no solo, para proteger determinadas culturas. É uma forma de isolar as plantas de ervas daninhas e de controlar a humidade e a temperatura, aumentando a produtividade.

Mas uma vez utilizado, o plástico – normalmente feito de polietileno, um derivado do petróleo – torna-se um problema. A melhor hipótese é reciclá-lo. Mas muitas vezes é enterrado no solo ou mesmo queimado.

Plástico biodegradável  solução do futuro!

O plástico é aplicado sobre as culturas e, depois da colheita, misturado à terra, acaba por decompor-se ao longo de alguns meses, digerido por microorganismos. O plástico biodegradável é incorporado no solo, junto com o que resta das culturas. Não há qualquer impacto ambiental.

Este plástico biodegradável, feito de amido de milho,  pode ser uma alternativa aos plásticos cada vez mais em voga na agricultura em Portugal e no mundo. É o resultado de um projecto de investigação e inovação financiado pela Comissão Europeia, liderado por uma empresa portuguesa, e cujos resultados foram apresentados esta semana.