ESE – 2º Concurso de Ideias de Negócios Inovadores

O Núcleo de Empreendedorismo da nossa escola, com o Projecto “ Educação para o Empreendedorismo”, contribuiu, mais uma vez, para a construção de experiências educativas inovadoras e criativas para o desenvolvimento de uma nova consciência crítica e reflexiva, ao promover, dinamizar e participar no  2º Concurso de Ideias de Negócios Inovadores, numa parceria com a CME, DESTAC/Incubadora de Empresas de Estarreja, SEMA e PACOPAR. Destacaram-se 10 candidaturas, onde foram atribuídos prémios em dois escalões.

Na categoria Ideia Jovem, do 7º ao 9º anos, ganhou o projecto Arte no Papel. A empresa de comunicação social, dedicada especialmente à produção de revistas, dos associados José Manuel Garrido, Francisca Martins e Ana Rita Pires    ( alunos do 7º unificado), foi a ganhadora. Na Categoria Jovem Empreendedor, do 10º ao 12º anos, com 7 candidaturas apresentadas e no meio de tantas e tão boas ideias, o projecto Fonseca & Fonseca Unipessoal Lda. da aluna Vanessa Fonseca do 11ºI do Curso Profissional de Gestão, foi aos olhos do júri a mais fascinante ideia e incide na comercialização do “Sappi, um sensor auditivo para pessoas invisuais, que iria substituir a visão”, no fundo trata-se de um guia que levaria o seu utilizador ao destino escolhido tornando a “pessoa mais autónoma”.

Saliento, que nestes dois últimos anos lectivos a Incubadora de Empresas  de Estarreja, proporcionou formação aos alunos do 11º Ano do Curso Profissional de Gestão. A pedra de toque para a integração do espírito empreendedor na Escola.

Reforço a ideia, que a  educação e a formação para o desenvolvimento do espírito empreendedor encontram-se integradas na estratégia da Comissão Europeia  nas “Competências-Chave de Aprendizagem ao Longo da Vida” (EC, 2005), e são hoje amplamente reconhecidas como factores determinantes para o desenvolvimento económico e cultural em toda a Europa.

Importa continuar a desenvolver instrumentos para o reconhecimento e a validação de aptidões ligadas ao empreendedorismo, adquiridas através de aprendizagem não formal. A aprendizagem pela prática e a experiência concreta do empreendedorismo, graças a actividades e projectos práticos, constituem as melhores formas de promover o espírito empreendedor e as competências ligadas ao empreendedorismo.