INOV PME reforça competências dos pequenos negócios

 

O objectivo do projecto INOV PME  é integrar jovens quadros nas empresas nacionais de modo, a reforçar as competências dos nossos pequenos e médios negócios.

Promovido pelo Instituto para o Fomento e Desenvolvimento do Empreendedorismo (IFDEP), este projecto visa, então, aumentar a competitividade das PME participantes, por intermédio de jovens com qualificações de nível superior em áreas críticas para a inovação e desenvolvimento empresarial.

No total,  serão abrangidas pelo INOV PME 60 empresas das áreas da indústria, comércio, serviços, construção e turismo. As empresas com vocação empreendedora, que revelem ambição e apetência para a melhoria continua e a conquista de novos mercados serão privilegiadas.

Este projecto é desenvolvido ao abrigo do INOV JOVEM – Jovens Quadros para a Inovação nas PME, que se insere no âmbito do Plano Tecnológico e é financiado pelo Governo e pelo Fundo Social Europeu.

Os 60 estágios do INOV PME terão a duração de 12 meses, dos quais 2 serão dedicados a formações iniciais em sala e 10 serão dedicados ao estágio propriamente dito, à excepção de um mês dedicado a férias.

São várias as áreas de formação abrangidas pela iniciativa, sendo que os jovens seleccionados para integrar o programa recebem uma bolsa de formação equivalente a dois salários mínimos, bem como subsídios de alimentação e transporte, ao abrigo do regulamento criado para o efeito.

Para informações adicionais em INOV PME 

 

Anúncios

Música criativa…

Perpetuum Jazzile, um grupo esloveno incrivelmente versátil e empreendedor. Neste vídeo, poderão apreciar uma simulação de uma tempestade na performance da música “África” da banda “Toto”.

Aumentem o som e deliciem-se com o som único deste grupo!

Painel de trabalhos…

A Prova de Aptidão Tecnológica consiste na apresentação e defesa individual, perante um júri, de um produto realizado, neste caso,  em suporte multimédia interactivo e do respectivo relatório de realização, os quais evidenciam as aprendizagens profissionais adquiridas pelo aluno ao longo do seu curso.

Os produtos finais produzidos  pela turma do 12º F do Curso Tecnológico de Administração, no âmbito da PAT,  encontram-se alojados no seguinte Blogue:

Painel

Clique na imagem para aceder ao blogue.

Quatro dicas para encontrar novo emprego

Procurar emprego, não é só enviar currículos através do computador, é uma missão a desempenhar a tempo inteiro. Esta é a principal mensagem passada pela consultora de transição de carreira (outplacement) Transitar, que deixou ao site do jornal “Público” quatro dicas para quem procura um novo trabalho.

1 – “Defina o seu mercado de trabalho”

A consultora aconselha os desempregados a elaborarem um plano de marketing pessoal, onde definem pormenorizadamente o que procuram: cargo e funções a desempenhar, tipo de empresas, localização geográfica, etc.

2- “Faça uma lista de empresas-alvo”

Feita a definição do seu mercado de trabalho, os desempregados estão em condições para passar à listagem das empresas-alvo. Definir esses potenciais locais de trabalho é, para a Transitar, condição essencial para passar à acção.

3– “Defina objectivos concretos”

A definição de objectivos concretos e reais é meio caminho andado para atingir tais objectivos. A consultora aconselha os desempregados a elaborar uma lista de objectivos, tendo sempre em conta a realidade que os rodeia. Estar bem informado é essencial.

4 – “Esteja atento à Internet mas não descure as restantes ferramentas de procura de emprego de que dispõe”

De acordo com o Público.pt, a consultora alerta para a necessidade de os desempregados não cingirem o processo de procura de emprego à Internet. A rede de contactos é fundamental e, por vezes, procurar trabalho na primeira pessoa é a melhor solução.

 

Ensino do empreendedorismo deve começar cedo…

Margem

Já há algum tempo, que venho a defender a ideia que sendo a escola  espaço de vida, socialização e formação dos jovens, deve promover a passagem para a outra “margem”, a  do desenvolvimento de novas práticas pedagógicas  em que o empreendedorismo deve ser incrementado em contexto de sala de aula,  desenvolvendo-se o gosto pela tomada de risco, fomentando-se o espírito de iniciativa e criatividade ou melhor, promovendo-se uma  nova  ATITUDE…

___________________________________

Deixo aqui, um artigo publicado ontem à tarde no Jornal de Negócios Online  

Em algumas escolas do país, o ensino do empreendedorismo começa cedo, desde os primeiros anos de escolaridade obrigatória. Empresas como a GesEntrepreneur ou a associação Aprender a Empreender são responsáveis por projectos que abrangem alunos do 1º ciclo ao Ensino Secundário e onde a preocupação é não só transmitir conceitos, mas também desenvolver projectos práticos.

A oferta de empreendedorismo não se limita aos adultos. Várias escolas do país, desde o 1º ciclo do Ensino Básico até ao ensino secundário, têm já os seus alunos a aprender conceitos básicos sobre o que é ser empreendedor, o que é um plano de negócios e mesmo a testar na prática as suas ideias de negócio. A iniciativa parte das câmaras municipais ou das escolas, que recorrem a serviços de empresas ou associações vocacionadas para o ensino do empreendedorismo.

A GesEntrepreneur é um desses casos. Nasceu no âmbito de um grupo empresarial, que conta por exemplo com a GesVenture, uma empresa de capital de risco que se apercebeu da necessidade de apostar na educação para que pudesse existir massa crítica e bons projectos para apoiar. Ou seja, “era preciso alimentar um ciclo de aposta na inovação”, explica Miguel Gonçalves, managing director da GesEntrepreneur.

Aperceberam-se que 95% da formação em empreendedorismo baseava-se no ensino sobre como fazer planos de negócios, centrada na alfabetização financeira e muito técnica. “São conceitos importantes, mas não fazem de nós empreendedores”, afirma Miguel Gonçalves. A alternativa foi virarem-se para o estrangeiro e importar um novo método de ensino. Fizeram uma parceria com o canadiano Chris Curtis para aplicar em Portugal o método do ‘learn by doing’ (aprender fazendo).

Um método que se centra no desenvolvimento das características necessárias para ser empreendedor, divide o processo em pequenos passos, facilmente atingíveis, um ensino capaz de se adaptar às várias formas de aprendizagem e baseado na experiência, explica Miguel Gonçalves.

O ensino do empreendedorismo nas escolas não tem um padrão fixo. Cada caso é um caso. No início do ano, directores de turma, professores e alunos, juntamente com as equipas que fazem formação em empreendedorismo, discutem qual o melhor método a desenvolver durante o ano.

Neste caso, o projecto tem um nome: “A Empresa” e significa que, durante um ano lectivo, os alunos têm de criar uma ideia de negócio, ir buscar capital, organizar feiras, um processo que vai até à liquidação da empresa. Os alunos participam, depois, num concurso de âmbito nacional que elege a melhor ideia e essa ideia representa o país no Junior Achievement da Europa. Este ano, o projecto vencedor chama-se “Do a Deal” e consiste na criação de um jogo informático que se destina a gerir um orçamento familiar.

Os projectos da Aprender a Empreender são a custo zero para as escolas, – a associação vive dos recursos disponibilizados pelas empresas associadas e das parcerias com as câmaras municipais – e, este ano, o trabalho envolveu 20 mil alunos de 250 escolas, em 30 concelhos do país. Ao todo, a associação conta com o trabalho de 1.300 voluntários.

 

PORTUGUÊS EXACTO – novo espaço da Língua Portuguesa

Acessível, prático, útil e gratuito: vale mesmo a pena adicionar aos seus favoritos.

 PORTUGUÊS EXACTO, um novo espaço da Língua Portuguesa, criado pela Porto Editora e considerado por muitos especialistas como uma excelente ferramenta linguística,  passa a  esclarecer questões gramaticais e entre outras coisas converte texto ou palavras isoladas em conformidade com as normas do Acordo Ortográfico.

Português

 

Feira do Empreendedor no Alentejo

A Feira do Empreendedor do Alentejo, que tem lugar de 19 a 30 de Junho em Évora.

Trata-se de uma verdadeira festa do empreendedorismo promovida pelo Núcleo do Alentejo da ANJE – Associação Nacional de Jovens

 Empresários. Integrado na tradicional Feira de S. João de Évora, o certame recebe todos os anos cerca de 200 mil visitantes de todo país, que ali procuram apoios para empreender novos negócios ou desenvolver empresas já estabelecidas.

A Feira do Empreendedor assume-se, aliás, como um ponto de encontro entre expositores e visitantes, que permite o reforço de relações empresariais já existentes e a concretização de novos contactos e negócios.

 Empresas regionais, nacionais e até representantes portuguesas de grandes multinacionais compõem a extensa lista de expositores do certame concebido de raiz para dar resposta às expectativas de empresários e empreendedores nascentes da região alentejana.

“14 Anos de Empreendedorismo no Alentejo”

Este ano, a Feira do Empreendedor servirá ainda de mote para a comemoração de “14 Anos de Empreendedorismo no Alentejo”. A iniciativa será sinalizada no dia 26 de Junho, envolvendo uma apresentação do Centro de Incubação de Évora, um encontro empresarial com a espanhola Associação de Jovens Empresários de Extremadura (ANJE-EX) e ainda um jantar comemorativo, com a presença de membros da Direcção Nacional da ANJE, seguido de um business drink.